Terapeuta Ocupacional

Terapeuta Ocupacional

Constituem atos privativos do terapeuta ocupacional prescrever, ministrar e supervisionar terapia ocupacional, objetivando preservar, manter, desenvolver ou restaurar a capacidade funcional do cliente a fim de habilitá-lo ao melhor desempenho físico e mental possível, no lar, na escola, no trabalho e na comunidade, através de:

                        I – elaboração de testes específicos para avaliar níveis de capacidade funcional e sua aplicação:

                        II – programação das atividades da vida diária e outras a serem assumidas e exercidas pelo cliente, e orientação e supervisão do mesmo na execução dessas atividades;

                        III – orientação à família do cliente e à comunidade quanto às condutas terapêuticas ocupacionais a serem observadas para a aceitação do cliente, em seu meio, em pé de igualdade com os demais;

                        IV – adaptação dos meios e materiais disponíveis, pessoais ou ambientais, para o desempenho funcional do cliente:

                        V – adaptação ao uso de órteses e próteses necessárias ao desempenho funcional do cliente, quando for o caso;

                        VI – utilização, com o emprego obrigatório de atividade dos métodos específicos para educação ou reeducação de função de sistema do corpo humano; e

                        VII – determinação:

                        a) do objetivo da terapia e da programação para atingí-lo;

                        b) da frequência das sessões terapêuticas, com a indicação do tempo de duração de cada uma; e

                        c) da técnica a ser utilizada.